Aos 58 anos, Antonio Carlos Venturini, balanceiro na unidade de grãos da Agro100 em Londrina, se aposentou há dois anos, mas continua trabalhando e não pensa em parar tão cedo. “Vou trabalhar até quando aguentar. Não consigo  ficar em casa e não conseguiria trabalhar em outro serviço. Aqui faço o que eu gosto. Ninguém me perturba e, quando eu preciso, falo direto com quem é dono”, diz ele. Venturini trabalhou em vários serviços, até que, em 1978, ganhou o posto de balanceiro na antiga Valcoop e nunca mais deixou de pesar caminhões carregados de grãos. Gosta do que faz e conta que hoje o trabalho de balanceiro é muito mais do que pesar e emitir romaneio. “Com a evolução e a entrada da informática, tudo mudou. Faço nota fiscal, faturamento e o controle do estoque em poder da empresa”, conta. Durante a entressafra o trabalho é maneiro, das sete da manhã às cinco e meia da tarde. Mas no recebimento da safra o serviço aperta. Ele conta que de janeiro a março e de julho a setembro, o trabalho às vezes se estende das sete da manhã às 10 da noite.